quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

A Procura

Cada um de nós perfaz uma bocado do bocado deste todo, caminhamos descalços por este mundo e vamo-nos cruzando com géneros, credos e contradições, barram-nos as portas e rompem-se todas as possíveis saídas, muitas vezes difíceis de se atravessarem, mas que nos permitem o encontro da verdadeira substância do que é o “amar”, é nas porções, é nas pequenas quantidades daquilo que realmente importa que vamos construindo a pouco e pouco o amor por nós, a amizade incondicional, é nos outros que fica bem patente tudo aquilo que fomos e continuaremos a ser depois de nos ausentarmos desta casca frágil que habitamos, penso que o sabor amargo no final de uma existência corpórea é mais um obstáculo por ultrapassar, e fazêmo-lo comemorando os momentos partilhados com todas as pessoas que nos cercaram durante toda a nossa vida, as de sentimentos verdadeiros, que nos aqueceram o coração quando mais necessitávamos, que aguentaram as nossas fúrias, que se abraçaram a nós quando triunfámos, aqueles que nos amam, e com os quais nos vamos encontrar, talvez...noutro dia, noutro instante...

(a procura, é a procura e não a existência acomodada que faz sentido)

3 comentários:

Mag disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Canto Definido disse...

;)

Sayuri disse...

Canto Definido, gosto tanto quando escreves assim, coisas simples e bonitas! :)